Transformação e Santificação

A Última Fronteira

Este ensino apresenta toda uma fundamentação bíblica, e, também,
esclarece princípios e práticas que devem ser aplicadas
no seu dia a dia para a apropriação da saúde divina.

Um ensino sobre a vivificação de nossos corpos mortais e da glória a ser revelada em nós

Estamos vivendo dias gloriosos vindos da parte do Senhor. A aurora do Reino está nascendo sobre toda a humanidade. O Reino dos céus está se manifestando e, por causa disso, nossos espíritos estão como a flor que abrocha gradativamente diante dos raios do Sol de uma nova aurora. Na medida em que nossos espíritos começam a participar da emanação espiritual do Reino dos céus, muitos sinais, sintomas e experiências começam a nos sobrevir. Estamos em um caminho pelo qual nunca passamos antes, mas temos a Palavra, o Espírito Santo e a unidade do Corpo que nos conduzem, pacientemente, a toda esta nova realidade de vida que estamos começando a participar. Dia a dia a nossa fé é desafiada a nos movermos na unção que o Reino de Deus está trazendo.

Clamamos por entrar no dia do Descanso do Senhor, quando não haveremos de travar batalhas externas, contra Satanás e toda a sua corja de demônios, nem contra o mundo de pecado e nem a batalha interna contra a nossa natureza adâmica e carnal. Nosso clamor, dia a dia, tem sido: “Desventurado homem que sou! Quem me livrará do corpo desta morte?” (Romanos 7:24).

Na medida em que a nossa consciência do Reino dos céus se expandi, parece também ficar mais claro e evidente as limitações do nosso corpo físico que foi entregue à futilidade, degeneração e ao destino da morte. Porém, diante da promessa que está diante de nós, de que o Pai tabernacularia EM nós e de que Cristo está vindo para ser glorificado EM nós: “quando vier para ser glorificado nos seus santos e ser admirado em todos os que creram, naquele dia (porquanto foi crido entre vós o nosso testemunho)” (2 Tessalonicenses 1:10). Elevamos os nossos olhos para os céus e clamamos: “Cumpra-se em mim, Senhor, as Suas promessas. Vem completar a obra da salvação, produzindo regeneração e vivificação ao meu corpo”. Para esta hora fomos chamados: “Senhor, aumenta-nos a fé”. Queremos, sim, que nossos corpos sejam, efetivamente, o templo do Espírito Santo e entrarmos na vida ressurreta.

A última fronteira a ultrapassamos é a da vivificação de nossos corpos mortais. Paulo nos ensina, em Romanos 8:16-24, um dos grandes mistérios e promessa de Deus e que estão sendo desvendados nestes dias do Reino. Vamos ler este texto na Versão King James (VKJ): “O próprio Espírito testemunha ao nosso espírito que somos filhos de Deus. Se somos filhos, então, também somos herdeiros; herdeiros de Deus e co-herdeiros com Cristo. Se realmente participamos dos seus sofrimentos para que, da mesma maneira, participemos da sua glória. Note que estamos diante dos dias gloriosos, quando a glória do Senhor está retornando ao Seu templo, o Corpo de Cristo. A promessa é que a glória de Deus se manifestará EM nós; isso implica em toda a Sua realeza, vida e poder.

O texto continua: “Estou absolutamente convencido de que os nossos sofrimentos do presente não podem ser comparados com a glória que em nós será revelada”. Desde a transgressão original, no Éden, o pecado tem gerado sofrimento na humanidade e em nós, mas nutrimos a convicção da glória que está vindo com o nascer do novo dia do Reino de Deus. Paulo explica que o pecado (ofensa) de Adão fez com que o pecado e a morte reinassem na humanidade, porém “…muito mais os que recebem a abundância da graça e o dom da justiça reinarão em vida por meio de um só, a saber, Jesus Cristo” (Romanos 5:17).

E Paulo faz outras revelações surpreendentes: “A própria natureza criada aguarda, com vivido anseio, que os filhos de Deus sejam revelados. Porquanto a criação foi submetida à futilidade, não por sua livre escolha, mas por causa da vontade daquele que a sujeitou, na esperança de que também a própria natureza criada será libertada do cativeiro da degeneração(ou futilidade) “em que se encontra, recebendo a gloriosa liberdade outorgada aos filhos de Deus”. Primeiramente nós temos de ser libertos da futilidade, da degeneração, e entramos na filiação. E aos filhos maduros de Deus será outorgada também a autoridade para libertar toda a criação da futilidade. É justamente aqui que nos encontramos.

Promessa de salvação completa

“Sabemos que até hoje toda a criação geme e padece, como em dores de parto. E não somente ela, mas igualmente nós, que temos os primeiros frutos do Espírito, também gememos em nosso íntimo, esperando com ansiosa expectativa, por nossa adoção, como filhos de Deus, a redenção do nosso corpo. Paulo associa a nossa adoção como filhos com a redenção do nosso corpo mortal. Gênesis, que relata o princípio de todas as coisas, registra que por causa do pecado de Adão e Eva toda a criação recebeu os efeitos do pecado: degeneração e morte. Gênesis começa relatando todos os atos criativos de Deus e expressa que tudo o que Deus criou era bom. Entretanto, com o advento do pecado e consequentemente desconexão e desarmonia do espírito humano com o Criador, morte penetrou na natureza humana e em toda a criação. Agora, porém, em Cristo Jesus, o “segundo Adão”, nos é apontada a esperança e promessa da nossa plena salvação: nós seremos regenerados completamente (Hebreus 7:25) do nosso espírito, alma e corpo, e o reflexo disso será a regeneração de todo o mundo criado. “Porquanto, precisamente, nessa esperança fomos salvos. Contudo, esperança que se vê não é esperança; pois como pode alguém anelar por aquilo que está vendo?” Que tenhamos olhos para vê toda a provisão que há em Cristo e que nos está sendo entregue nestes dias como herança. Mas não queremos apenas ver o Reino de Deus e o cumprimento da promessa, queremos entrar e participar.

A palavra salvação, no original grego, tem um significado muito amplo. A palavra significa “livramento, saúde ou ser saudável”. O conceito é que não apenas fomos salvos, ou libertos, de situações como do jugo de escravidão do pecado, de Satanás e do mundo. Mas a salvação implica que o Senhor está trazendo saúde e vida em abundância para nós. A saúde divina nos traz imunidade, Sua força, Sua natureza e vida plena. “Que o próprio Deus da paz vos santifique integralmente. Que todo o vosso espírito, alma e corpo sejam mantidos irrepreensíveis na vinda” (parusia) “de nosso Senhor Jesus Cristo. Aquele que vos chamou é fiel, e Ele também o fará”. (1 Tessalonicenses 5:23, 24 naVKJ). O Senhor é fiel e a obra de salvação que Ele começou em nós será integral, completa, alcançará a saúde plena de nosso espírito, alma e corpo.

Até agora temos recebido vida da parte do Senhor, mas a promessa é que teremos vida após a “vírgula”, vida em abundância, em plenitude: “O ladrão não vem, senão para roubar, matar e destruir. Eu vim para que as ovelhas tenham vida, e a vida após a vírgula: “e a vida em plenitude”. (João 10:10 – VKJ). Plenitude é a promessa e o nosso clamor, Efésios 3:19; 4:13.

A origem espiritosomática das doenças e da morte

Os psicólogos, psiquiatras e psicoterapeutas têm utilizado o termo “doenças psicossomáticas” ao se referir às doenças físicas ou não, que tem seu princípio na mente ou alma. Não há mais dúvidas de que grande parte das doenças que surgem em nosso corpo tem sua origem em nossos pensamentos e emoções. Ou seja, a saúde mental e psicológica está ligada diretamente à saúde física.

Agora me deixe ampliar o seu entendimento e introduzir uma nova terminologia: as doenças espiritosomáticas. Não temos nenhuma dúvida sobre a veracidade das doenças psicossomáticas, mas uma visão mais ampla dos fatos faz-nos compreender que todos os males e doenças que sobrevêm ao ser humano têm sua origem no espírito humano e na qualidade de sua relação com Deus, o Criador. O livro de Gênesis nos revela que no dia em que Adão e Eva pecaram, eles morreram porque Deus havia dito: “No dia em que dela comeres, certamente morrerás”. Os espíritos de Adão e Eva se tornaram mortos e ficaram na “escuridão”, privados da participação da Luz e Vida que há em Deus. Os espíritos deles morreram, suas almas tornaram-se mortal, mas eles não morreram naquele dia, pois Adão viveu por 930 anos (Gênesis 5:5). O espírito de Adão morreu, sua alma entrou em um eclipse de forma que ele não mais pôde se comunicar com Deus e, fisicamente, ele passou para um estado escuro de futilidade, tendo a morte reinando sobre ele a partir daquele momento. A futilidade e a morte entraram na natureza humana e em toda a criação por causa do pecado da desobediência, ou como Paulo denomina: ofensa. Assim como a desobediência desconecta o nosso espírito da harmonia que há em Deus, a obediência é o caminho para nos conectar ao Pai.

Toda doença e morte emanam, fundamentalmente, do espírito humano

Na Bíblia encontramos a relação entre saúde física, mental e espiritual. Os Provérbios de Salomão nos ensinam, em diversos textos, que ao seguirmos os conselhos e ensinamentos do Senhor, sendo obedientes a Ele, estaremos nos protegendo de doenças, males, frustrações e dos laços do pecado. “A saúde está nos ossos da pessoa”, o que é mencionado por diversas vezes no livro de Provérbios. Como frequência, a palavra “ossos” é usada para falar do corpo inteiro, porquanto o esqueleto forma o arcabouço em torno do qual fica unida a totalidade do corpo (3:8; 14:30; 15:30 e 16:24). Isso reforça que a saúde espiritual e a saúde física estão intimamente relacionadas.

Há três outros Provérbios que exemplificam claramente essa relação entre a saúde espiritual, mental e física (lembre-se que somos um ser triuno, onde todos os três elementos estão interconectados). Vejamos o primeiro texto: “Filho meu, dá atenção às minhas instruções; aos meus conselhos inclina os teus ouvidos. Jamais os percas de vista; guarda-os no mais íntimo das tuas entranhas, pois são vida para quem os encontra e saúde para o seu corpo”. (Provérbios 4:20-22 – VKJ). Uma das recompensas para os que buscam a sabedoria de Deus, e pratica os Seus conselhos são: a vida e saúde física. Sabemos que os estados mentais e espirituais influenciam o corpo físico para o bem ou para o mal.

O segundo Provérbio é: “Não sejas sábio aos teus próprios olhos; teme ao Senhor e aparta-te do mal. Isso se constituirá em saúde para o teu corpo e vigor para os teus ossos”. (Provérbios 3:7, 8 – VKJ). Este Provérbio ensina que “temer ao Senhor e apartar-se do mal” (saúde espiritual) produz saúde mental e física. Paulo confirma a verdade contida neste Provérbio ao ensinar a seu filho na fé, Timóteo, uma grande verdade: “Exercita-te, porém, na piedade. Pois o exercício físico para pouco é proveitoso, mas a piedade para tudo é proveitosa, porque tem a promessa da vida que agora é e da que há de ser”. (1 Timóteo 4:7b, 8). A cultura greco-romana elevava o estado de perfeição humana ao culto do corpo, e Paulo lembra a Timóteo que o cuidado com o corpo é importante, mas nada comparado a um caminhar com Deus em piedade. E Paulo vai mais além, afirmando que uma vida cheia da prática piedosa traz a promessa de VIDA, tanto para a nossa vida presente com a porvir, a vida eterna. Paulo ensina a prioridade que se deve dar ao nosso caminhar com Deus em retidão e inteireza de coração, buscando o Reino de Deus como primazia.

Vejamos o terceiro Provérbio: “O coração bem disposto” (ou alegre) “é remédio de grande eficácia, mas a alma deprimida consome até dos ossos do corpo todo o vigor”. (Provérbios 17:22 – VKJ). Aqui é expressa a relação entre mente e corpo, como que nossas emoções afetam nossas condições físicas.

Os pesquisadores científicos descobriram em estudos controlados que a gargalhada alegre e feliz produz mudanças mensuráveis no sistema imunológico de uma pessoa. Você, na verdade, pode ajudar seu corpo a lutar melhor contra as doenças sendo uma pessoa alegre! Hoje está cada vez mais comum grupos de palhaços prestarem serviços nos hospitais infantis, que interagem com os pacientes para promover alegria a eles e ao ambiente hospitalar. O resultado é que se conseguem melhores resultados na recuperação das crianças. Esta prática também está sendo levada aos asilos e orfanatos.

Biblicamente, nossas dimensões física, mental e espiritual estão intimamente relacionadas. Vemos diversas histórias de personagens que tiveram problemas de saúde em uma dessas dimensões e consequentemente as outras também sofreram. Vemos Davi, por exemplo, que por pecar com Bateseba, teve grande sofrimento psíquico e consequentemente físico (Salmos 32:3 e 4). Também Tiago revela que doenças podem surgir no corpo das pessoas por causa de pecados (Tiago 5:14, 15). Quantas vezes ouvimos Jesus perdoar os pecados das pessoas que O procuravam para ser curadas de doenças físicas? (Mateus 9:2-6). Portanto, está comprovado: o salário do pecado é a doença e a morte, o perdão produz saúde e vida (Romanos 6:23).

O salário do pecado é a doença e a morte, o perdão produz saúde e vida.

Deus deseja que tenhamos saúde de forma plena, completa, e não apenas em uma ou outra dimensão, até porque quando uma dessas três dimensões (física, mental ou espiritual) não estiver bem, as outras consequentemente serão afetadas!

Os pesquisadores contemporâneos têm relutado em documentar uma verdade que a Bíblia estabeleceu há muito tempo: os seres humanos são um todo indivisível. O que normalmente dividimos em partes físicas, mentais/sentimentais e espirituais, na verdade são coisas inter-relacionadas e inseparáveis. Em outras palavras, o que afeta a mente, afeta o corpo. Nossa condição espiritual tem efeitos sobre nossa condição física, e vice-versa. Somos seres inteiros e integrados.

Leia a mensagem na íntegra para se aprofundar neste assunto tão vital para nossa vida em Cristo. Baixe o arquivo PDF abaixo:

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *