Transformação e Santificação

Discernindo o Corpo de Cristo – A Ceia do Senhor

Aqui repartimos um ensinamento glorioso a respeito da Ceia do Senhor e a provisão que Ele nos deixou pelo Seu corpo e Seu sangue. Participar da Ceia com fé e tendo o discernimento correto das virtudes do corpo e do sangue, lhe trará provisão e benefícios sobrenaturais e físicos da parte do Senhor Jesus Cristo.

A Nova Aliança que Cristo Jesus firmou conosco, pelo Seu sangue, traz cláusulas de superiores promessas quando comparamos com a aliança da Antiga Aliança. Hoje, temos as consciências purificadas de todo pecado e transgressão e o nosso corpo físico é lavado com a água pura da Palavra. Em Cristo temos os pecados removidos, esquecidos e uma provisão eterna de perdão à nossa disposição.

Muitos textos das Escrituras têm sido encobertos ou selados para serem revelados nestes dias da Restauração de Todas as Coisas (Atos 3:20, 21). Alguns textos do Novo Testamento são batalhados por Satanás, fazendo com que traduções erradas sejam feitas ou mesmo textos sejam mal interpretados

Os ensinamentos de Paulo contidos em 1 Coríntios 11, aonde ele reparte a revelação que recebeu do próprio Senhor a respeito da Santa Ceia, e mais especificamente sobre o corpo de Cristo (o pão), também são mal compreendidos pelos cristãos e, sem sobra de dúvidas, são verdades batalhadas por Satanás. Porque o diabo sabe que se tivermos o discernimento correto a respeito do corpo de Cristo e do Seu sangue, entraremos em um nível elevado de vida abundante e de libertação da futilidade que domina os nossos corpos. Então, possamos servir ao Senhor plenamente e sem limitações.

O discernimento correto do corpo de Cristo

Todo o contexto de 1 Coríntios 11 fala sobre a Santa Ceia, do corpo e do sangue do Senhor Jesus, e o discernimento que devemos ter destes elementos. Ou seja, qual a finalidade do Senhor nos ter dado o Seu corpo e derramado o Seu sangue. Não interprete mal este ensinamento do apóstolo Paulo.

Paulo orientou os crentes de Corinto a participarem do pão e do vinho de forma adequada para que eles não fossem “condenados com o mundo” (vs. 32b). E, porque eles não estavam participando de forma adequada, estavam fracos, doentes e alguns até morrendo prematuramente. Alguns pensam que esta expressão está falando de irmos para o inferno. Mas não é disso que Paulo está se referindo. Ele está dizendo que se participarmos da Ceia sem o discernimento apropriado do corpo de Cristo, participaremos das condenações às quais o mundo está sujeito por causa do pecado de Adão.

Por outro lado, Paulo está ensinando aos Coríntios que eles precisavam aprender a discernir a provisão do corpo de Cristo para participarem dos benefícios propostos na Ceia, para não sofrerem as consequências da condenação do mundo.

Os versículos 31, 32 dizem: “Contudo, se nós tivermos a cautela de avaliarmos o nosso discernimento” (conforme o original grego: “julgar” é discernir, ou avaliar nossa compreensão a respeito da Ceia) “não seríamos condenados. No entanto, quando somos julgados” (avaliados) “pelo Senhor, estamos sendo corrigidos a fim de que não sejamos condenados juntamente com o mundo” (vss. 31, 32). Na expressão “se nós nos julgássemos”, a palavra “julgar” aqui é a expressão grega diakrino, que significa: discernir. Esta mesma expressão é usada anteriormente por Paulo: “Porém o homem espiritual julga todas as coisas, mas ele mesmo não é julgado por ninguém”. (1 Coríntios 2:15). A versão de King James Atualizada traduz assim: “Contudo, aquele que é espiritual pode DISCERNIR todas as coisas, e ele mesmo por ninguém é compreendido…”. Portanto, o termo se refere a uma compreensão ou entendimento com discernimento.

Este ensinamento que Paulo recebeu do Senhor foi dado para nos corrigir: corrigir nosso discernimento dos elementos da Ceia, para não sermos condenados juntamente com o mundo, que não conhece as provisões do sangue e do corpo do Cordeiro de Deus. A ênfase é: Se nós avaliamos o nosso discernimento da Ceia do Senhor, nós não seremos julgados (ou condenados) juntamente com o mundo. Concluímos que este ensinamento não foi trazido por Paulo para nos condenar, mas como fonte de correção para livramento. Paulo orienta os crentes de Corinto a discernirem o corpo de Cristo que é a provisão divina para não recebermos a condenação junto com o mundo.

Qual é a “condenação do mundo” no contexto deste capítulo? Fraqueza, enfermidade e morte prematura. Paulo se surpreendeu em perceber que na igreja em Corinto havia “muitos fracos e doentes e não poucos que morreram prematuramente” (vs. 30). E Paulo apresenta qual o motivo nos versículos 27 a 29 – “…pois quem como e bebe sem discernir o corpo, como e bebe juízo para si. Eis A RAZÃO por que há entre vós muitos fracos e doentes e não poucos que dormem” (vss. 29, 30).  “Eis A RAZÃO” daqueles crentes estarem participando da condenação com o mundo e estarem fracos, doentes e alguns até morrendo prematuramente. Observe que Paulo fala DA RAZÃO, no singular, e não no plural: AS RAZÕES. Ou seja, há apenas uma razão para todo aquele sofrimento: não discernirem os benefícios que há no corpo de Cristo que nos é oferecido na Ceia. Observe que a questão aqui é o PÃO, não o vinho (sangue) da Ceia.

O mundo está debaixo de condenação, herdada pelo pecado de Adão. Mas em Cristo fomos considerados justos e livres desta condenação: ”Pois assim como, por uma só ofensa, veio o juízo sobre todos os homens para condenação, assim também, por um só ato de justiça, veio a graça sobre todos os homens para a justificação que dá vida. Porque, como, pela desobediência de um só homem, muitos se tornaram pecadores, assim também, por meio da obediência de um só, muitos se tornarão justos”. (Romanos 5:18, 19). E ainda: “Agora, pois, já nenhuma condenação há para os que estão em Cristo Jesus” (Romanos 8:1).

Participando da Ceia do Senhor, com discernimento e revelação do corpo de Cristo, apropriaremos da provisão completa: saúde para nosso corpo, vitalidade e vida eterna.

“Por isso, aquele que comer o pão ou beber o cálice do Senhor, indignamente, será réu do corpo e do sangue do Senhor” (vs. 27). A palavra empregada para “indignamente”, no grego, é anaxiós, que significa INADEQUADAMENTE. O ponto aqui é a ação, não quem agiu (a pessoa). Entenda que Paulo não está dizendo que se você está indigno, ou está em pecado, não deve participar da Santa Ceia. Este não é o pensamento de Paulo. Jesus morreu por pessoas indignas. Na verdade, ninguém é digno da provisão de Cristo. Paulo não está falando do estado de uma pessoa, mas da maneira imprópria de celebrar a Ceia. A questão aqui não é a pessoa, mas a maneira, ou a forma com que se toma o pão e o vinho. Paulo está dizendo: “A maneira como vocês estão participando da Ceia, os impedem de receber os benefícios da provisão, e por isso estão fracos, doentes e não poucos morrem antes do tempo”.

Portanto: “Examine-se, pois o homem a si mesmo, e assim, como do pão, e beba do cálice; pois quem come e bebe SEM DISCERNIR O CORPO, como e bebe juízo para si” (vss. 28, 29). Então Paulo orienta para cada um examinar, avaliar, o seu nível de discernimento da finalidade do Senhor ter nos dado o Seu sangue e corpo.

Há muitos ensinamentos errados que impedem e fazem os crentes rejeitaram a Santa Ceia. Mas se discernirmos corretamente os benefícios que nos está proposto no corpo e sangue de Jesus Cristo, reverteremos estas situações. Precisamos discernir os benefícios do corpo do nosso Senhor.

Os benefícios por discernir o corpo de Cristo: o pão da ceia

A palavra grega para “discernir” é diakrionon, e significa “fazer a diferença, discernir ou fazer a distinção entre duas coisas”. Paulo está orientando a fazerem distinção ou discernir os benefícios que há no corpo do Senhor. Quando tomamos o pão e o vinho, o corpo e o sangue do Senhor na Ceia, precisamos discernir os benefícios de cada elemento. A questão é: Por qual propósito o corpo (pão) foi partido e o sangue (o fruto da videira) derramado?


Leia a mensagem na íntegra para se aprofundar neste assunto tão vital para nossa vida em Cristo. Baixe o arquivo PDF abaixo:

Estou disponibilizando também o áudio de quando esta mensagem foi, pela primeira vez, ministrada numa igreja local. O áudio está dividido em duas partes e você pode ouvir no seu Smartphone ou Desktop. Também pode fazer o download para ouvir mais tarde.

Áudio – Parte I
Áudio – Parte II

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *